Clipping de Relações Internacionais

Como fica o debate sobre armas nos EUA após o massacre de Newtown

Posted in Américas, Política & Política Externa by Emilia C. de Paula on 17/12/2012

BBC – 17/12/12.

EUA têm 88,8 armas de fogo para cada 100 habitantes

EUA têm 88,8 armas de fogo para cada 100 habitantes

O massacre na escola de Newtown, Connecticut, horrorizou os EUA. Mas que impacto, se é que haverá algum, isso terá no debate sobre as leis de armas no país?

(more…)

Tagged with: , , ,

Comentários desativados em Como fica o debate sobre armas nos EUA após o massacre de Newtown

América Latina quiere hablar de drogas

Posted in Américas, Segurança Nacional & Defesa by Emilia C. de Paula on 26/02/2012

EL País – 23/02/12.

Rancho de Tlajomulco (México) en el que el Ejército se incautó de una cantidad histórica de metanfetaminas el pasado 10 de febrero / ULISES RUIZ (AFP)

El grado crítico de violencia causado por el narcotráfico en Latinoamérica ha metido el viejo debate sobre la legalización de la droga por primera vez en la agenda de presidentes en activo. Los mandatarios de Guatemala y El Salvador, Otto Pérez y Mauricio Funes, han llamado a analizar la opción de regular el comercio del tráfico de estupefacientes, y la presidenta de Costa Rica, Laura Chinchilla, ha recogido el guante diciendo que no se opondría a un debate “serio y riguroso”. Estos pronunciamientos de líderes centroamericanos refuerzan la línea abierta en noviembre por el presidente de Colombia, Juan Manuel Santos, que se mostró partidario de legalizar la marihuana y la cocaína si eso permitía “erradicar la violencia del narco”, y consolidan el primer frente gubernamental crítico con la política de prohibición a ultranza comandada por Estados Unidos.

(more…)

Comentários desativados em América Latina quiere hablar de drogas

Brasil presidirá Conselho de Segurança

Posted in Américas, Organizações Internacionais & Regionais by Nejme Joma on 30/01/2011

São Paulo, 30

O Brasil assumirá a presidência do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira (1/2) e irá comandar o grupo durante o mês de fevereiro. O posto é rotativo e sempre ocupado por um dos 15 membros do órgão. Há anos, o Brasil tenta ocupar um assento permanente no conselho e defende sua reforma. Ao assumir o comando, o objetivo é ampliar os debates para as áreas de conflito nas regiões mais pobres do mundo.

As informações são confirmadas pelas Nações Unidas. No dia 11 de fevereiro, o Brasil promoverá um debate sobre as questões paz, segurança e desenvolvimento. O ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, deverá participar das discussões. Na ONU, o Brasil é representado pela embaixadora Maria Luiza Ribeiro Viotti. De acordo com diplomatas que acompanham as discussões nas Nações Unidas, o momento é de observar com atenção o que ocorre no Kosovo, no Congo e em Guiné Bissau, além dos efeitos do plebiscito no Sudão.

No ano passado, em sessão das Nações Unidas em nome do governo brasileiro, o então ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, defendeu a reforma urgente da atual estrutura do Conselho de Segurança. Criado em 1945, depois da Segunda Guerra Mundial, o formato do órgão estabelece que cinco países tenham assento permanente e dez ocupem provisoriamente, por dois anos, as vagas.

Uma das propostas em discussão é que, entre os seus integrantes permanentes, sejam incluídos mais dois países da Ásia, um da América Latina, outro do Leste Europeu e um da África. Atualmente, são integrantes permanentes do conselho os Estados Unidos, Rússia, China, França e Inglaterra. Já o Brasil, Turquia, Bósnia Herzegovina, Gabão, Nigéria, Áustria, Japão, México, Líbano e Uganda são membros rotativos no órgão, com mandato de dois anos.

É o Conselho de Segurança das Nações Unidas que autoriza a intervenção militar em um dos 192 países-membros da organização e também que estabelece sanções – como ocorreu com o Irã, em junho. Os conflitos e crises políticas são analisados pelo conselho, que define sobre o envio e a permanência de militares das missões de paz. Em junho de 2010, Brasil e Turquia, que integram o Conselho de Segurança das ONU, votaram contra as sanções ao Irã. O Líbano se absteve da votação, mas 12 países foram favoráveis às restrições. Para a comunidade internacional, o programa nuclear do Irã é suspeito de produção secreta de armas atômicas. Os iranianos negam. As informações são da Agência Brasil. (more…)

Comentários desativados em Brasil presidirá Conselho de Segurança

Licença única de mídia terá debate, diz Bernardo

Posted in Américas, Opinião Pública/Mídia by Nejme Joma on 28/01/2011

Brasil – Estadão

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, confirmou ontem que há estudos do governo para a criação de licença única para as diversas mídias, como revelou o jornal O Estado de S. Paulo. Bernardo considerou que a informação do jornal, pela síntese da manchete, sugeriu a muitos que o assunto está decidido pelo governo, o que criou um impacto desproporcional ao estágio do debate.

“Tudo isso ainda será objeto de consulta pública e terá de passar pelo crivo do Congresso Nacional”, disse. E acrescentou: “Conforme ficou claro na matéria, a regulamentação vai ser debatida em ritmo seguro.”

O tema desde cedo ocupou o ministro, surpreendido por cobranças que interpretaram a notícia como um recuo do governo em relação ao marco regulatório do setor. “Basta ler a matéria que você verá que nada está decidido”, respondeu a um jornalista que procurava confirmação pelo Twitter. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (more…)

Tagged with: , ,

Comentários desativados em Licença única de mídia terá debate, diz Bernardo