Clipping de Relações Internacionais

Universidades brasileiras buscam romper isolamento com cursos em inglês

Posted in Américas, Política & Política Externa by Emilia C. de Paula on 30/05/2013

Brasil – BBC – 30/05/13.

Diversas iniciativas recentes vêm fazendo com que o Brasil se aproxime de um cenário acadêmico global. Bolsas de estudo no exterior do programa Ciência sem Fronteira e maior publicação de pesquisas em meios estrangeiros são algumas delas.

Mas para que o país realmente consiga romper o isolamento internacional na área de educação, o caminho, segundo especialistas, não pode ser de mão única e é preciso também atrair estudantes para as instituições brasileiras.

Com isso em mente, uma das principais estratégias de universidades, tanto públicas como particulares, vem sendo o oferecimento de cursos e disciplinas em inglês.

“O inglês é a língua franca também na educação, especialmente em áreas como administração, ciência e tecnologia, e também na comunicação entre colegas. É importante não só para atrair alunos estrangeiros, mas também para que o brasileiro aprimore o idioma e para integrar os estudantes daqui e os de fora”, afirma Álvaro Bruno Cyrino, vice-diretor da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresa (Ebape) da Fundação Getúlio Vargas, no Rio.

Cyrino é taxativo em relação aos que criticam aulas em inglês e as consideram uma perda de soberania. “Nesse sentido, o inglês é imperativo. Qual seria a outra opção? Esperanto? Latim? Só se for para falar sozinho.”

O economista Naércio Menezes Filho, especialista em educação e professor do Insper e da FEA-USP, também vê um crescimento maior das aulas em inglês nas universidades particulares. “Nas públicas, ainda é preciso vencer uma estrutura burocrática e, especialmente nas federais, essa ideia é vista por alguns como uma forma de imperialismo”, diz.

Demanda do exterior

Uma das universidades públicas que vem ultrapassando essa barreira é a Unesp, que acaba de criar um programa permanente em que 50 disciplinas da pós-graduação serão ministradas em inglês.

“O nosso foco foi em quatro áreas em que a Unesp tem alta competência e reconhecimento internacional: ciências agrárias, energias alternativas, odontologia e literatura”, explica o professor José Celso Freire Júnior, chefe da Assessoria de Relações Externas da Unesp.

Lançado em meados de maio, a iniciativa já recebeu a inscrição de dezenas de alunos estrangeiros. Ao menos 40 deles já tiveram suas matrículas confirmadas e desembarcam no Brasil em agosto, partindo de lugares distintos como o Estado americano de Nebraska e a Nigéria, na África (leia os depoimentos dos estudantes abaixo). Alunos brasileiros em busca de aprimorar o inglês também podem se inscrever nos cursos.

Segundo Freire, a expectativa é de que o programa tenha um impacto positivo no processo de internacionalização da universidade, além de atender a uma forte demanda do exterior por vagas em faculdades brasileiras. “E esse projeto também deve criar um ambiente com culturas diferentes e mais internacionalizado”, afirma o professor.

Iniciativas isoladas

Além da Unesp, há outras universidades brasileiras que incluem disciplinas em outro idioma como parte permanente de suas grades. Em São Paulo, a USP, por exemplo, tem aulas em inglês na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto e na unidade de Piracicaba (Esalq).

Na pós-graduação da USP também há disciplinas em inglês, mas elas são ministradas de maneira esporádica, apenas quando há um grande número de alunos estrangeiros ou quando a disciplina é ministrada por um professor visitante estrangeiro.

O mesmo ocorre na Unicamp, onde as iniciativas são isoladas, também vinculadas a fatores como a presença de um professor de outro país.

Entre as particulares, o Insper mantém o curso de Global Management Program, que é direcionado a executivos e tem aulas somente em inglês. Na FGV, há cursos na pós-graduação ministrados em inglês e realizados em parcerias com instituições internacionais.

“Aqui (na unidade da EBAPE-FGV, no Rio), recebemos todos os anos cerca de 50 alunos brasileiros e até 60 estrangeiros”, afirma Cyrino, acrescentando que a maioria vem da Europa, de países como França e Itália.

Cyrino afirma que essa vinda de alunos estrangeiros é um fenômeno recente, que se intensificou nos últimos dois ou três anos. “E o contato dos alunos daqui com colegas que têm outras origens é extremamente importante. Incentiva a multiculturalidade e provoca uma intensa troca de experiência”, diz.

“Essa internacionalização está virando padrão e um requisito para entrar no clube. É o futuro.”

Outra vantagem citada por Menezes é o fato de que lidar com alunos estrangeiros muitas vezes obriga a faculdade a se atualizar e a oferecer novos currículos.

Veja alguns depoimentos de futuros alunos estrangeiros da Unesp em:

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/05/130520_inter_universidades_mdb.shtml

 

Comentários desativados em Universidades brasileiras buscam romper isolamento com cursos em inglês

%d blogueiros gostam disto: