Clipping de Relações Internacionais

Ação antiterrorista deixa a desejar na Alemanha e Turquia

Posted in Europa, Política & Política Externa by Emilia C. de Paula on 24/02/2013

Europa – DW – 24/02/13.

Grupos terroristas turcos, curdos e radicais religiosos ameaçam tanto a Alemanha quanto a Turquia. Apesar disso, a cooperação entre as autoridades dos dois países está longe de ser satisfatória.

Quando se trata de ameaças à segurança pública por organizações terroristas, normalmente não há nenhuma diferença entre a Alemanha e a Turquia. Ambos os Estados têm interesses comuns no âmbito do combate ao terrorismo, afirmam especialistas alemães. No entanto, autoridades nacionais de defesa da Constituição também ressalvam que essas “boas relações no setor de segurança” na cooperação bilateral apresentam “necessidade de melhorias”.

O fato de organizações clandestinas de âmbito internacional planejarem seus ataques contra a Turquia em território alemão é visto pelos especialistas de segurança como algo “insuportável”, uma vez que “elementos criminosos e terroristas estrangeiros” são “indesejados” na Alemanha. Por outro lado, há evidentemente diferenças graves entre as legislações dos dois países, o que resulta em que, por exemplo, extradições requeridas pelas autoridades turcas sejam raramente realizadas.

Alemanha acusada de negligência

Depois do atentado terrorista à embaixada norte-americana em Ancara, ocorrido em 1° de fevereiro último, o premiê turco, Recep Tayyip Erdoğan, acusou a Alemanha, não pela primeira vez, de “negligência no combate ao terrorismo”. Durante a operação violenta, o autor, do grupo de extrema esquerda Frente Revolucionária de Libertação Popular (DHKP-C), causou a morte de um segurança.

Erdoğan também criticou Berlim no tocante às três ativistas do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), mortas em Paris com tiros na cabeça, em 10 de janeiro passado. Uma das mulheres fora detida na Alemanha em 2007, porém libertada, apesar do pedido de extradição por parte da Turquia. “Essa leviandade e essa indiferença não podem mais ser toleradas”, protestou o chefe de governo turco.

Segundo especialistas alemães em segurança, os pedidos de extradição das autoridades turcas fracassam, em grande parte, por falta de provas claras dos delitos supostamente cometidos em território turco. As justificativas desses requerimentos de extradição são, muitas vezes, consideradas “insuficientes” pela Justiça alemã. Ou seja, de acordo com os especialistas, as autoridades alemãs, não podem simplesmente deportar ou extraditar pessoas “toda vez que Ancara pedir”. Isso não é possível sobretudo porque a situação de respeito aos direitos humanos na Turquia é considerada “insatisfatória” pelos tribunais alemães.

“Raiz do problema está na Turquia”

Nem os membros do PKK – categorizado como “terrorista” tanto pela Alemanha quanto pela União Europeia – nem os aproximadamente 650 apoiadores da menos conhecida DHKP-C cometem deliberadamente qualquer delito ou ato de violência na Europa ocidental. As advertências das autoridades de segurança turcas, de que as organizações recorreriam ao narcotráfico ou a outras fontes ilícitas no financiamento de suas ações contra a Turquia, são difíceis de compreender – tanto do ponto de vista de conteúdo quanto formal. Por isso é difícil investigar essas alegações, apontam os especialistas em segurança na Alemanha.

Ao mesmo tempo, afirma-se haver dentro do PKK diferentes correntes: de um lado, os “Falcões” mais radicais e propensos à violência; de outro, as “Pombas”, que compõem a maioria da organização e tendem a negociações políticas. Segundo especialistas, a raiz do problema está no Leste e no Sudeste da Turquia, regiões habitadas principalmente por curdos e “muito atrasadas dos pontos de vista social e econômico”, o que favoreceria a afluência de jovens sem perspectiva de futuro o PKK ou outras organizações extremistas. Ali é preciso encontrar uma solução para o problema do terrorismo, alertam os especialistas.

Nova nomenclatura: jihadistas no lugar de radicais

Ao contrário dos atentados do PKK e da DHKP-C, cujos alvos se encontram na Turquia, os radicais de motivação religiosa seguem uma “agenda transnacional”. Para evitar categorizações como “fundamentalistas” ou “radicais islâmicas” em relação às organizações clandestinas, as autoridades alemãs de segurança falam em “jihadistas”.

O termo árabe Jihad significa “luta em nome de Deus” e costuma ser livremente traduzido como “guerra santa”, embora eruditos islâmicos discutam se ele se refere necessariamente ao combate armado. Além disso, não é inequívoco se essa luta deve servir à expansão violenta do Islã ou a sua defesa.

Segundo autoridades de segurança alemãs, os jihadistas não têm receio de cometer atos de violência na Alemanha ou em outros países europeus. Por isso, as organizações muçulmanas teriam que seguir partilhando a responsabilidade do combate ao terrorismo. Ou seja: os pregadores do ódio nas mesquitas devem ser coibidos pelas próprias organizações e comunidades islâmicas legais.

Autoria: Baha Güngör (sv)

Revisão: Augusto Valente

Disponível em:

http://www.dw.de/a%C3%A7%C3%A3o-antiterrorista-deixa-a-desejar-na-alemanha-e-turquia/a-16624391

Comentários desativados em Ação antiterrorista deixa a desejar na Alemanha e Turquia

%d blogueiros gostam disto: