Clipping de Relações Internacionais

Marrocos vai às urnas com islamitas como favoritos

Posted in Oriente Médio, Política & Política Externa by Nejme Joma on 23/11/2011

AFP – 23/11/2011.

Os marroquinos votam na sexta-feira para eleger um novo Parlamento, em eleições chave após três meses de reivindicações sociopolíticas e nas quais os islamitas do Partido Justiça e Desenvolvimento (PJD) são favoritos.

Meses depois de uma reforma constitucional proposta pelo rei Mohammed VI e massivamente aprovada por um referendo no dia 1º de julho, estas eleições permitirão que os cerca de trinta partidos políticos meçam seu peso político.

O PJD aposta por um “efeito Ennahda”, o partido islâmico tunisiano que venceu claramente as eleições de 23 de outubro, e ocupa 89 dos 217 assentos da Assembleia Constituinte da Tunísia.

O PJD é atualmente o maior partido da oposição, com 47 deputados de 395. Uma vitória abriria a ele pela primeira vez as portas do governo.

Apesar da ausência de pesquisas, proibidas duas semanas antes do início da campanha eleitoral, a maioria dos especialistas aponta para grandes chances de estar entre os primeiros.

“O Marrocos será islamita”, previa o semanário francófono Tel Quel na capa de sua edição desta semana.

“O PJD será primeiro ou segundo”, previa um de seus influentes líderes, Saadedin El Othomani, em uma entrevista.

O partido islamita terá, no entanto, dois adversários de peso: o Istiqlal (Independência), do primeiro-ministro Abbas al Fassi (52 deputados), e a União Nacional Independente (Rassemblement national indépendant, RNI, liberal), do ministro da Economia Salahedin Mezuar (38).

As eleições também serão um teste para o “Movimento de 20 de fevereiro”, que surgiu espontaneamente na onda da primavera árabe e que apela para o boicote das eleições de sexta-feira, assim como outros partidos de esquerda.

“Não irei votar porque nada muda neste país”, declarou à AFP Ouidade Melhaf, uma jovem estudante do movimento.

O índice de participação será particularmente examinado em um país onde o abstencionismo é elevado: apenas 37% dos inscritos votaram nas legislativas de 2007.

Apesar de tudo o que está em jogo, os marroquinos não parecem estar animados com a eleição.

“Não vemos uma grande motivação”, lamentava há poucos dias uma delegação da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa (APCE).

Seja qual for o resultado de sexta-feira, a vida política marroquina não voltará a ser como antes, já que será aplicada a reforma constitucional.

A principal novidade é que o primeiro-ministro será designado no seio do partido que obtiver o maior número de votos.

Embora preserve a primazia do rei, a nova Constituição concede mais poderes ao parlamento e ao chefe de governo.

Este poderá, por exemplo, dissolver o parlamento, mas deverá governar no âmbito de uma coalizão.

Neste novo contexto, “como serão as relações entre o rei e o chefe de governo?”, se perguntava o jornal em árabe Akhbar Al Yaoum.

As eleições, que serão supervisionadas por 4 mil observadores marroquinos e estrangeiros, rejuvenescerão de qualquer forma o panorama político local: 87% dos candidatos jamais estiveram no Parlamento e 45% dos candidatos têm menos de 45 anos, segundo o ministério do Interior.

Disponível em: http://br.noticias.yahoo.com/marrocos-vai-%C3%A0s-urnas-islamitas-favoritos-124147586.html;_ylt=AjhRE.04XjvXzGtAuZNI9pEKs8B_;_ylu=X3oDMTNxZDJmNWFrBG1pdANUb3BTdG9yeSBNdW5kb1NGBHBrZwMxNTA0MmVhYy1lZDMxLTMzZGYtOGJlNi0yNjY0Y2Y5YWMzZDAEcG9zAzEEc2VjA3RvcF9zdG9yeQR2ZXIDMjI1YmI4NTAtMTVkMS0xMWUxLWJmOTUtM2FkY2U2OTE0YWM0;_ylg=X3oDMTFwMDZlajN1BGludGwDYnIEbGFuZwNwdC1icgRwc3RhaWQDBHBzdGNhdANtdW5kbwRwdANzZWN0aW9ucwR0ZXN0Aw–;_ylv=3

Tagged with: , ,

Comentários desativados em Marrocos vai às urnas com islamitas como favoritos

%d blogueiros gostam disto: