Clipping de Relações Internacionais

Presidente deposto de Honduras é derrotado em votação em que não teve apoio sequer de seu próprio partido

Posted in Américas, Política & Política Externa by Lucas S. on 03/12/2009

Tegucigalpa – O Globo – 02/12/09

O Congresso Nacional de Honduras enterrou na quarta-feira a última chance de Manuel Zelaya voltar à Presidência do país para terminar o seu mandato, em 27 de janeiro, quando assume o novo governo. Numa sessão marcada por marcha fúnebre, oração e até um vídeo em que o presidente deposto foi chamado de mentiroso, a maioria dos 128 deputados ratificou o golpe comandado pelo governo de fato. Com nove horas de sessão, o Congresso somava às 22h44m (em Brasília) 65 votos, a maioria da Casa, o que encerrava as chances de Zelaya ser reconduzido ao poder. Apenas sete parlamentares haviam votado a favor do presidente deposto.

O governo interino argumenta que o ex-presidente tentara, com um referendo para reformar a Constituição, instituir a reeleição, proibido no país. Para evitar o processo, os militares o tiraram de casa em 28 de junho, ainda de pijamas, e o levaram para a Costa Rica.

Sem acordo com o governo deposto, o Partido Nacional de Honduras – ao qual pertence o futuro mandatário, Porfírio Lobo – decidiu votar na quarta-feira em bloco contra a restituição de Zelaya, eliminando as chances de o presidente deposto voltar ao poder, ainda no começo da sessão. Com a decisão da bancada nacionalista, a votação começava, tecnicamente, com 55 votos contra Zelaya, mas cada deputado teve de informar o voto individualmente. O próprio partido do presidente deposto não chegou a um consenso. A maior parte dos liberais votou a favor do presidente interino, Roberto Micheletti.

– Ao não reconstituirmos Zelaya, afastamos também Hugo Chávez do nosso país – disse o deputado Juan De La Cruz Avelar. Zelaya se aproximou do presidente venezuelano, criando no país uma massa crítica em relação ao seu governo.

“Levando em conta as declarações do ex-presidente Manuel Zelaya, que tem se manifestado publicamente contra o acordo São José-Tegucigalpa, e que nos brindou com declarações claras contra as eleições limpas e transparentes disputadas no país (…) nos manifestamos a favor da ratificação do decreto 141-2009, aprovado em 28 de junho de 2009”, informava o documento do PN.

A avaliação no Congresso é a de que o próprio Zelaya afastou as possibilidades de um acordo para retomar a Presidência. Terça-feira, Carlos Reina, um de seus principais assessores, deixou a embaixada brasileira para informar que o presidente deposto pretendia permanecer no comando do país além de 27 de janeiro, como forma de compensar o período em que esteve fora. Teria sido a pá de cal.

Ruas em torno do Congresso foram fechadas

Confirmada a decisão parlamentar em não reconhecer o governo deposto, o futuro presidente do país terá de criar uma política específica para convencer parte da comunidade internacional, que não pretende reconhecer seu governo como legítimo. Zelaya, por sua vez, teria endurecido o discurso justamente porque tem como principal interesse a constituição de um tribunal ligado a ONU para julgar os seus delitos.

Do lado de fora do Congresso, 500 homens da Polícia Nacional e do Exército fecharam as ruas de acesso ao Congresso. O comércio também foi obrigado dispensar os funcionários. Usando fuzis, os soldados evitavam qualquer aproximação do grupo de militantes que protestava na praça central de Tegucigalpa. Ao som de reggaetom, o estilo musical mais apreciado no país, os oposicionistas ao governo interino gritavam palavras de ordem, mas não arriscavam atravessar a rua que os separavam dos militares.

Disp.http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2009/12/02/presidente-deposto-de-honduras-derrotado-em-votacao-em-que-nao-teve-apoio-sequer-de-seu-proprio-partido-915027310.asp

Acesso: 03/12/09

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. MARIO RIBEIRO DE CARVALHO said, on 06/12/2009 at 15:14

    Parabens as autoridades Hondurenhas, ter como aliados como, Chavez Evo morales e Lula e louco


Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: